Um ano de pandemia Covid-19: o que mudou e o que nos faz falta?

Um ano de pandemia Covid-19: o que mudou e o que nos faz falta?

A Seresco Portugal, empresa especialista em processamento salarial e externalização de recursos humanos, e Melhor Fornecedor de RH 2020, revelou o balanço de um ano de pandemia, analisado junto da sua equipa. Hoje, são os fatores afetivos e sociais que mais impacto causam no dia-a-dia e no “novo normal” dos colaboradores, no pós-pandemia.
 
A liberdade dos afetos e da confraternização, da proximidade e do toque, sofreram uma mudança radical de distanciamento enfatizando a valorização das mais pequenas coisas, da esperança; o que mais falta parece fazer são os convívios entre família, amigos e colegas e este será o fator primordial de necessidade um ano após “confinarmos”.
 
Outro fator a refletir na vida e no nosso-dia-a-dia, foi a mudança de uma vida de agitação, de stress e falta de tempo, a liberdade de movimentos, do ir e vir, apesar do transito, das viagens, das rotinas sociais, das ruas e lojas cheias, das esplanadas e restauração sempre aberta, dos parques cheios de pessoas, para uma vida com mais tempo em casa, com maior dedicação ao desporto individual em exterior, à saúde e bem-estar, e o silencio nas ruas, os restaurantes fechados, os compromissos só com reservas e a perda da espontaneidade.

A dinâmica da cidade a acordar para mais um dia de trabalho, a vida em escritório e em equipa, a partilha de experiência e de ideias, os almoços em equipa, com parceiros e outros, que se traduzem hoje na necessidade de maior conciliação, num espaço único, entre vida pessoal e profissional, nos pedidos online de comida e outros bens.
Um ano de pandemia Covid-19: o que mudou e o que nos faz falta?
 
A produtividade aumentou na sua generalidade, é atribuída uma maior liberdade alinhada com maior confiança por parte das empresas, o que acarreta maior disciplina da parte de cada um. O teletrabalho é uma realidade e já não se antecipa o retrocesso.
 
A importância da saúde e da gestão financeira das famílias e empresas, o desemprego, são fatores muito preocupantes e que afetam milhares de pessoas, assim como o fecho de escolas e algumas lacunas na aprendizagem dos nossos jovens. E no futuro, daqui a um ano, faremos outro balanço e veremos o que mudou em mais um ano.